Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios
   
 

 
Classificação de Fundos

 

Classificação dos Fundos de Investimento Mobiliário e dos Fundos de Pensões Abertos

Parte I - Definições

Parte II - Processo de Classificação dos Fundos de Investimento Mobiliário (excluindo Fundos PPR e Fundos de Investimento Alternativo)

Parte III - Processo de Classificação dos Fundos de Investimento Alternativo

Parte IV - Categorias APFIPP

Parte V - Outras Considerações

Anexos

Na classificação por si efectuada, a APFIPP aplica os critérios e os entendimentos que se expõem em seguida a que acresce a necessária adequação das carteiras dos Fundos de Investimento Mobiliário às disposições legais e regulamentares em vigor.

dating site for married people wife cheated on me married men who have affairs
aids and hiv in africa aids foundation how to prevent aids
terbinafin ringorm terbinafin voide terbinafin actavis
« voltar ao topo

 

Parte I – Definições

1. Comissão de Acompanhamento da Classificação – Comité constituído por três elementos efectivos e um elemento suplente, cada um em representação de uma Sociedade Gestora, Associada da APFIPP, que tem por missão analisar as situações detectadas, em cada trimestre, de desvio face aos critérios de Classificação estabelecidos pela APFIPP e, após considerar os argumentos apresentados pelas Sociedades Gestoras dos Fundos em causa, decidir sobre a sua aceitação ou não.

2. Fundos de Pensões Abertos – Inclui os Fundos de Pensões Abertos que não sejam Fundos PPR nem Fundos PPA.

3. Fundos PPR – Fundos de Poupança Reforma. Inclui os Fundos constituídos sob a forma de Fundos de Investimento Mobiliário (FIM) e sob a forma de Fundos de Pensões. Não inclui os Fundos de Pensões geridos por não-Associadas da APFIPP. Inclui, ainda, os Fundos PPE (Fundos Poupança Educação) e os Fundos PPR/E (Fundos Poupança Reforma/Educação).

4. Exposição a Acções – Corresponde à soma das seguintes componentes das carteiras dos Fundos:

i) O valor global das Acções (ordinárias e preferenciais), incluindo as acções de sociedades imobiliárias;

ii) O valor global dos Direitos;

iii) O valor global das Unidades de Participação de Fundos de Acções;

iv) O valor global das acções de ETF que tenham como subjacente acções ou índices accionistas, quer invistam directamente nesses activos ou a exposição seja efectuada através de instrumentos financeiros derivados (ETF's sintéticos);

v) O valor da exposição a acções através de instrumentos financeiros derivados, que tenham como subjacente acções ou índices accionistas, tal como quantificados nas carteiras.

No caso dos ETF's mencionados na alínea iv) que tenham políticas de investimento que visem proporcionar uma rendibilidade que seja um múltiplo da dos activos subjacentes (por exemplo, o inverso ou o dobro), pode a Sociedade Gestora, com base neste motivo, argumentar que outro valor, diferente do valor global das acções do ETF, deve ser considerado no cálculo da Exposição a Acções.

Para a quantificação da Exposição a Acções não será considerado o valor dos seguintes instrumentos financeiros:

a) Unidades de Participação de outros Fundos de Investimento que não os mencionados nas alíneas iii) e iv) anteriores (por exemplo, Fundos Multi-activos, Hedge Funds e outros Fundos com exposição parcial a acções);

b) Obrigações Convertíveis;

c) Valores representativos de dívida (Obrigações) com performance indexada à evolução de um conjunto de acções ou índice accionista (produtos estruturados).

Caso exista a exposição a acções através de outros instrumentos financeiros não mencionados, cabe à Sociedade Gestora demonstrar e justificar essa exposição, a qual será analisada, caso a caso, pela Comissão de Acompanhamento da Classificação.

5. Exposição a acções através de instrumentos financeiros derivados – Serão considerados os valores extrapatrimoniais identificados nas carteiras mensais como “Operações sobre cotações”, com excepção dos que não tenham como subjacente acções ou índices accionistas. Corresponde à soma dos valores destes instrumentos, tal como figuram na carteira. Assim, as posições curtas serão deduzidas ao valor da exposição, enquanto que as posições longas serão adicionadas.

6. Acções emitidas por Entidades Portuguesas – Acções emitidas por empresas que:

i.   Tenham sede no território português;

ii.  Façam parte do PSI-20, ou de outro índice de referência para o mercado accionista português que o venha a substituir; ou

iii. Tenham a Euronext Lisbon como principal mercado de negociação e, cumulativamente, consolidem contas com uma outra entidade com sede no território português.

No caso de instrumentos financeiros derivados, considera-se que são equivalentes a acções emitidas por empresas portuguesas, se todos os activos subjacentes forem acções ou índices de acções emitidas por empresas que cumpram pelo menos um dos critérios anteriores.

7. Activos denominados em Euro – Consideram-se activos denominados em Euro, quer os efectivamente denominados nesta divisa, quer os denominados em outras divisas desde que seja feita a cobertura cambial integral dessas posições.

8. Acções emitidas por Empresas da União Europeia, Suíça e Noruega – Acções emitidas por empresas que:

i.   Tenham sede em qualquer um dos Países-Membros da União Europeia, na Suíça ou na Noruega; ou

ii.  Façam parte de qualquer um dos Índices considerados de referência para os mercados accionistas da União Europeia, da Suíça e da Noruega, indicados no Anexo 1.

No caso de instrumentos financeiros derivados, considera-se que são equivalentes a acções emitidas por empresas da União Europeia, Suíça e Noruega, se todos os activos subjacentes forem acções ou índices de acções emitidas por empresas que cumpram pelo menos um dos critérios anteriores. 

9. Activos denominados em divisas da União Europeia, Suíça e Noruega – Consideram-se activos denominados em divisas da União Europeia, Suíça e Noruega, os efectivamente denominados nestas divisas, bem como os denominados em outras divisas desde que seja feita a cobertura cambial integral dessas posições.

10. Acções emitidas por Empresas sedeadas nos Estados Unidos da América e Canadá – Acções emitidas por empresas que:

i.   Tenham sede nos Estados Unidos da América ou no Canadá; ou

ii.  Façam parte de qualquer um dos Índices considerados de referência para os mercados accionistas dos Estados Unidos da América e do Canadá, indicados no Anexo 1.

No caso de instrumentos financeiros derivados, considera-se que são equivalentes a acções emitidas por empresas dos Estados Unidos da América e Canadá, se todos os activos subjacentes forem acções ou índices de acções emitidas por entidades que cumpram pelo menos um dos critérios anteriores.

11. Activos denominados em divisas dos Estados Unidos da América e Canadá – Consideram-se activos denominados em divisas dos Estados Unidos da América e Canadá, os efectivamente denominados nestas divisas, bem como os denominados em outras divisas desde que seja feita a cobertura cambial integral dessas posições.

12. Exposição a obrigações – Corresponde à soma das seguintes componentes das carteiras dos Fundos:

i) Valor global dos Títulos de Dívida Pública;

ii) Valor global dos Outros Fundos Públicos e Equiparados;

iii) Valor global das Obrigações diversas, incluindo obrigações convertíveis e obrigações com performance indexada a outro tipo de activos;

iv) Valor global das Unidades de Participação de Fundos de Obrigações;

v) Valor global dos ETF que tenham como subjacente obrigações ou índices obrigacionistas, quer invistam directamente nesses activos ou a exposição seja efectuada através de instrumentos financeiros derivados (ETF's sintéticos);

vi) Papel Comercial;

vii) Outros Instrumentos representativos de dívida (Classificação 2.3.3. do Anexo 12 do Regulamento da CMVM n.º 5/2013).

No caso dos ETF's mencionados na alínea v) que tenham políticas de investimento que visem proporcionar uma rendibilidade que seja um múltiplo da dos activos subjacentes (por exemplo, o inverso ou o dobro), pode a Sociedade Gestora, com base neste motivo, argumentar que outro valor, diferente do valor global das acções do ETF, deve ser considerado no cálculo da exposição a obrigações.

Para a quantificação da exposição a obrigações não será considerado o valor dos seguintes instrumentos:

a) Instrumentos Financeiros derivados;

b) Unidades de Participação de Fundos de Investimento diferentes dos mencionados nas alíneas iv) e v) anteriores, como, por exemplo, de Fundos de Curto Prazo.

Caso exista a exposição a obrigações através de outros instrumentos financeiros não mencionados, cabe à Sociedade Gestora demonstrar e justificar essa exposição, a qual será analisada, caso a caso, pela Comissão de Acompanhamento da Classificação.

13. Valores mobiliários, instrumentos do mercado monetário e depósitos bancários com prazo de vencimento residual inferior a 12 meses – Inclui, também, o somatório dos valores pendentes a receber (com sinal positivo) e dos valores pendentes a pagar (com sinal negativo).

14. Sede dos emitentes de acções – Nos casos em que o país onde se encontram os “headquarters” (morada da ficha técnica que consta na Bloomberg) da empresa seja diferente do país de incorporação (domicílio fiscal / sede social), para efeitos da determinação da sede desse emitente, prevalece o país onde se encontram localizados os “headquarters” (morada da ficha técnica que consta na Bloomberg).

15. Liquidez – Considera-se "liquidez", o numerário e os depósitos detidos por Fundos de Investimento. Adicionalmente, são também equiparados a liquidez as Unidades de Participação de Fundos do Mercado Monetário, de Fundos do Mercado Monetário de Curto Prazo, de Fundos de Investimento Alternativo Monetário e de Fundos de Investimento Alternativo Monetário de Curto Prazo, bem como os instrumentos do mercado monetário, desde que este tipo de activos não faça parte do investimento "core" dos Fundos da Categoria em questão. Os Fundos de Acções e Fundos Multi-activos são exemplos de Categorias de Fundos cujo investimento "core" não inclui os activos atás mencionados.

Os activos incluídos na classe liquidez não serão tidos em conta para efeitos da verificação do critério "sede de emitente".

16. Obrigações emitidas com taxa de juro variável – Incluem, para além dos títulos representativos de dívida que sejam emitidos com taxa de juro variável, as obrigações com cupão zero desde que tenham maturidade residual inferior ou igual a 12 meses.

tetracyclin rosacea tetracyclin xl tetracyclin 0 25g
« voltar ao topo

 

Parte II – Processo de Classificação dos Fundos de Investimento Mobiliário (excluindo Fundos PPR e Fundos de Investimento Alternativo)

1. Cada Fundo de Investimento Mobiliário (excluindo Fundos PPR e Fundos de Investimento Alternativo), doravante designado por “Fundo”, será integrado numa das categorias definidas pela APFIPP (“Categoria APFIPP”).

2. A classificação inicial de cada Fundo baseia-se nas suas características, descritas no respectivo Prospecto Completo, nomeadamente na política de investimentos. No caso de não ser possível estabelecer, inequivocamente, a partir do Prospecto Completo do Fundo, qual a Categoria APFIPP do Fundo, questionar-se-á a respectiva Entidade Gestora para que indique em que Categoria APFIPP o Fundo deve ser inserido.

3. Os Fundos dispõem de um período inicial de 6 meses, no qual não têm que cumprir os critérios definidos para a Categoria APFIPP em que se encontram inseridos.

4. No primeiro mês de cada trimestre é analisada, para cada um dos Fundos domiciliados em Portugal, a composição das carteiras de final dos três meses do trimestre anterior para verificar o cumprimento dos critérios da Categoria APFIPP em que o Fundo se insere.

5. É analisada a carteira de cada um dos meses individualmente. Deste modo, não serão consideradas médias, devendo cada Fundo cumprir com os critérios da Categoria APFIPP em que se insere, em cada um dos meses.

6. Sempre que um Fundo (investidor) detenha Unidades de Participação de outro Fundo (investido), a verificação do cumprimento dos critérios será efectuada ao nível dos activos que compõem o Fundo investido. Nesse sentido, por exemplo, não serão relevantes, para efeitos de classificação da APFIPP, a domiciliação do Fundo investido, nem a divisa em que a sua Unidade de Participação está expressa, mas antes a domiciliação e moeda de denominação de cada um dos activos que esse Fundo detém.

7. As situações detectadas de desvios face aos critérios da Categoria APFIPP em que um Fundo se encontre inserido são comunicadas à respectiva Entidade Gestora, podendo, eventualmente, serem pedidos elementos e esclarecimentos adicionais sobre alguns dos activos detectados nas respectivas carteiras. Os argumentos apresentados, bem como a informação adicional fornecida, serão analisados pela Comissão de Acompanhamento da Classificação na sua reunião trimestral para análise da Classificação dos Fundos.

8. A Comissão de Acompanhamento da Classificação tem plenos poderes para efectuar a análise e monitorização da Classificação dos FIM e as suas decisões não são passíveis de recurso.

9. Sem prejuízo do ponto anterior, as Sociedades Gestoras podem solicitar que a Comissão Consultiva dos Fundos de Investimento Mobiliário emita um parecer não vinculativo sobre determinada situação, para apreciação da Comissão de Acompanhamento da Classificação.

10. O não cumprimento, por parte de um Fundo, dos critérios da Categoria APFIPP em que se insere, num qualquer mês, determina a mudança de Categoria desse Fundo. A respectiva Entidade Gestora deverá optar por uma das seguintes opções:

a) Mudar para a Categoria “Outros Fundos”.

O Fundo permanecerá nesta Categoria pelo período mínimo de 12 meses e conservará a série dos valores da Unidade de Participação, para efeitos do cálculo da rendibilidade e risco históricos.

Passados 12 meses sobre a passagem para a Categoria “Outros Fundos”, a Sociedade Gestora pode solicitar a mudança do Fundo para a Categoria APFIPP que seja consentânea com as carteiras dos meses do trimestre imediatamente anterior.

Se essa Categoria for aquela em que o Fundo se incluía antes da mudança para "Outros Fundos", o Fundo conservará a série dos valores da Unidade de Participação, para efeitos do cálculo da rendibilidade e risco históricos.

Se a Categoria for diferente daquela em que o Fundo se incluía antes da mudança para "Outros Fundos", a passagem implica a perda de histórico de cotações, para efeitos de cálculo de rendibilidade e risco, apenas sendo considerados os valores posteriores ao último dia útil (inclusive) do trimestre que antecede o que está a ser analisado. Por exemplo, no caso da análise incidir sobre o primeiro trimestre do ano, o Fundo apenas manterá os valores das Unidades de participação posteriores ao último dia útil do ano anterior (inclusive); 

b) Mudar para a Categoria APFIPP que seja consentânea com as carteiras dos meses do trimestre imediatamente anterior. Nesta situação, para o cálculo da rendibilidade e risco históricos deste Fundo, apenas serão considerados os valores das Unidades de Participação posteriores ao último dia útil (inclusive) do trimestre que antecede o que está a ser analisado.  Por exemplo, no caso da análise incidir sobre o primeiro trimestre do ano, o Fundo apenas manterá os valores das Unidades de participação posteriores ao último dia útil do ano anterior (inclusive).

11. O disposto no número anterior não se aplica no caso do desvio apurado face aos critérios da Categoria APFIPP ser igual ou inferior à menor das seguintes percentagens, medidas em relação ao Valor Líquido Global do Fundo no mês em que foi detectado o incumprimento:

i)  5%;

ii) 1/3 do valor do limite relativamente ao qual de verificou o desvio.

12. Em caso de incumprimento do critério relativo à maturidade média ponderada ajustada da carteira ou à maturidade residual média ponderada da carteira (nos Fundos do Mercado Monetário ou Fundos do Mercado Monetário de Curto Prazo), a alínea ii) do número anterior não tem aplicação e a percentagem mencionada na alínea i) do mesmo número é aferida em relação ao valor limite, relativamente ao qual se verificou o desvio.

13. No caso de um Fundo, por decisão da Sociedade Gestora ou imposição da Entidade de Supervisão, alterar a política de investimentos por forma a que integre uma das Categorias APFIPP para as quais a Associação não definiu qualquer outro critério para além da Classificação estabelecida nos documentos constitutivos do Fundo, o Fundo passará para essa categoria, mantendo, contudo, a série dos valores da Unidade de Participação, para efeitos do cálculo da rendibilidade e risco históricos. Neste momento, as Categorias APFIPP que se encontram nestas condições são as dos: Fundos Estruturados, Fundos Flexíveis, Fundos PPA e Fundos Índice.

paroxetin 8 wochen paroxetin testosteron paroxetin side effects
« voltar ao topo

 

Parte III – Processo de Classificação dos Fundos de Investimento Alternativo

1. Cada Fundo de Investimento Alternativo, doravante designado por  "Fundo", será integrado numa das categorias definidas pela APFIPP (“Categoria APFIPP”). 

2. A classificação inicial de cada Fundo obedece ao seguinte procedimento:

a) A APFIPP, atendendo à política e objectivos de investimento definidos no prospecto do Fundo, bem como à sua denominação comercial, irá propor à Sociedade Gestora a sub-categoria em que o mesmo deve ser integrado;

b) A Sociedade Gestora poderá sugerir, justificando, uma classificação diferente;

 c) A Comissão de Acompanhamento da Classificação analisará os argumentos apresentados pela Sociedade Gestora, aceitando a sugestão efectuada desde que sustentada pelos critérios de classificação definidos e pelos parâmetros definidos em a);

 d) Caso a Comissão de Acompanhamento da Classificação não aceite a sugestão apresentada pela Sociedade Gestora, esta última poderá optar entre colocar o Fundo na sub-categoria proposta pela APFIPP ou, em alternativa, por integrá-lo em “Outros Fundos de Investimento Alternativo”.

3. Haverá uma monitorização trimestral, tal como para os restantes FIM, que incidirá apenas sobre os critérios quantitativos definidos para cada uma das categorias.

4. As situações detectadas de desvios face aos critérios da Categoria APFIPP em que um Fundo se encontre inserido, são comunicadas à respectiva Entidade Gestora, podendo, eventualmente, ser pedidos elementos e esclarecimentos adicionais sobre alguns dos activos detectados nas respectivas carteiras. Os argumentos apresentados, bem como a informação adicional fornecida, serão analisados pela Comissão de Acompanhamento da Classificação, na sua reunião trimestral para análise da Classificação dos Fundos.

5. A Comissão de Acompanhamento da Classificação tem plenos poderes para efectuar a análise e monitorização da Classificação dos Fundos de Investimento Alternativo e as suas decisões não são passíveis de recurso.

6. Sem prejuízo do ponto anterior, as Sociedades Gestoras podem solicitar que a Comissão Consultiva dos Fundos de Investimento Mobiliário emita um parecer não vinculativo sobre determinada situação, para apreciação da Comissão de Acompanhamento da Classificação.

7. Em caso de incumprimento, num qualquer mês do trimestre sob análise, tal determinará a mudança de categoria do Fundo.

8. O disposto no número anterior não se aplica no caso do desvio apurado, face aos critérios da Categoria APFIPP, ser igual ou inferior à menor das seguintes percentagens, medidas em relação ao Valor Líquido Global do Fundo no mês em que foi detectado o incumprimento:

i)  5%;

ii) 1/3 do valor do limite relativamente ao qual se verificou o desvio.

9. Em caso de incumprimento do critério relativo à maturidade média ponderada ajustada da carteira ou à maturidade residual média ponderada da carteira (nos Fundos de Investimento Alternativo Monetário ou Fundos de Investimento Alternativo Monetário de Curto Prazo), a alínea ii) do número anterior não tem aplicação e a percentagem mencionada na alínea i) do mesmo número é aferida em relação ao valor limite, relativamente ao qual se verificou o desvio.

10. A Sociedade Gestora pode solicitar por sua iniciativa, justificando, a mudança de categoria do Fundo, a qual deve ser ratificada pela Comissão de Acompanhamento da Classificação.

11. Em caso de mudança de categoria, a Sociedade Gestora pode optar por:

a) Passar o Fundo para a sub-categoria "Outros Fundos de Investimento Alternativo", onde permanecerá, no mínimo, 12 meses, mantendo o histórico para efeitos do cálculo de performance.

Passados 12 meses sobre a passagem para a sub-categoria "Outros Fundos de Investimento Alternativo", a Sociedade Gestora pode solicitar a mudança do Fundo para a sub-categoria APFIPP que seja consentânea com as carteiras dos meses do trimestre imediatamente anterior.

Se essa sub-categoria for aquela em que o Fundo se incluía antes da mudança para "Outros Fundos de Investimento Alternativo", o Fundo conservará a série dos valores da Unidade de Participação, para efeitos do cálculo da rendibilidade e risco históricos.

Se a sub-categoria for diferente daquela em que o Fundo se incluía antes da mudança para "Outros Fundos de Investimento Alternativo", a passagem implica a perda de histórico de cotações, para efeitos de cálculo de rendibilidade e risco, apenas sendo considerados os valores posteriores ao último dia útil (inclusive) do trimestre que antecede o que está a ser analisado;

b) Mudar para outra sub-categoria de Fundos de Investimento Alternativo cujos critérios sejam verificados pelo Fundo, sendo eliminado o histórico de valorizações anteriores ao trimestre em análise.

« voltar ao topo

 

Parte IV - Categorias APFIPP

1. Fundos de Acções Nacionais – Fundos com exposição a acções superior a 85% do respectivo Valor Líquido Global. Investem, pelo menos, 80% da carteira em acções emitidas por empresas portuguesas. Investem 100% em activos denominados em Euro.

2. Fundos de Acções da União Europeia, Suíça e Noruega – Fundos com exposição a acções superior a 85% do respectivo Valor Líquido Global. Investem, pelo menos, 80% da carteira em acções emitidas por empresas de Países-Membros da União Europeia, da Suíça e/ou da Noruega. Investem 100% em activos denominados em qualquer uma das moedas oficiais destes países.

3. Fundos de Acções da América do Norte – Fundos com exposição a acções superior a 85% do respectivo Valor Líquido Global. Investem, pelo menos, 80% da carteira em acções emitidas por empresas sedeadas nos Estados Unidos da América e/ou do Canadá. Investem pelo menos 75% em activos denominados em qualquer uma das moedas oficiais destes países, sendo, no entanto, permitida a cobertura cambial dos activos em carteira para Euro.

4. Fundos de Acções Sectoriais – Fundos com exposição a acções superior a 85% do respectivo Valor Líquido Global. Investem num sector de actividade especifico, previsto nos respectivos documentos constitutivos.

5. Outros Fundos de Acções Internacionais – Fundos com exposição a acções superior a 85% do respectivo Valor Líquido Global que não cumprem, integralmente, os critérios de qualquer uma das categorias de Fundos de Acções anteriores.

6. Fundos de Obrigações de Taxa Indexada Euro – Fundos com uma exposição a obrigações superior a 80% do respectivo Valor Global. Não detêm qualquer exposição ao mercado accionista, com excepção da originada pela detenção de acções preferenciais. Investem, em permanência, pelo menos 50% do Valor Líquido Global do Fundo em obrigações emitidas com taxa de juro variável. Investem 100% em activos denominados em Euro.

7. Fundos de Obrigações de Taxa Indexada Internacional – Fundos com uma exposição a obrigações superior a 80% do respectivo Valor Global. Não detêm qualquer exposição ao mercado accionista, com excepção da originada pela detenção de acções preferenciais. Investem, em permanência, pelo menos 50% do Valor Líquido Global do Fundo em obrigações emitidas com taxa de juro variável. Não cumprem integralmente os critérios estabelecidos para os Fundos de Obrigações de Taxa Indexada Euro.

8. Fundos de Obrigações Euro – Fundos com uma exposição a obrigações superior a 80% do respectivo Valor Global. Não detêm qualquer exposição ao mercado accionista, com excepção da originada pela detenção de acções preferenciais. Não investem, em permanência, mais de 50% do respectivo Valor Líquido Global em obrigações emitidas com taxa de juro variável. Investem 100% em activos denominados em Euro.

9. Fundos de Obrigações Internacional – Fundos com uma exposição a obrigações superior a 80% do respectivo Valor Global. Não detêm qualquer exposição ao mercado accionista, com excepção da originada pela detenção de acções preferenciais. Não investem, em permanência, mais de 50% do respectivo Valor Líquido Global em obrigações emitidas com taxa de juro variável. Não cumprem integralmente os critérios estabelecidos para os Fundos de Obrigações Euro.

10. Fundos de Curto Prazo Euro – Fundos que investem mais de 50% do respectivo Valor Líquido Global em valores mobiliários, instrumentos do mercado monetário e depósitos bancários com prazo de vencimento residual inferior a 12 meses. Não podem investir em Acções; Obrigações convertíveis ou obrigações que confiram o direito de subscrição de acções ou de aquisição a outro título de acções; Títulos de Dívida Subordinada; Títulos de participação; Instrumentos financeiros derivados com finalidade diversa da cobertura de risco; Unidades de Participação de OICVM cujo regulamento de gestão não proíba o investimento nos activos referidos anteriormente. Investem 100% em activos denominados em Euro.

11. Fundos de Curto Prazo Internacional – Fundos que investem mais de 50% do respectivo Valor Líquido Global em valores mobiliários, instrumentos do mercado monetário e depósitos bancários com prazo de vencimento residual inferior a 12 meses. Não podem investir em Acções; Obrigações convertíveis ou obrigações que confiram o direito de subscrição de acções ou de aquisição a outro título de acções; Títulos de Dívida Subordinada; Títulos de participação; Instrumentos financeiros derivados com finalidade diversa da cobertura de risco; Unidades de Participação de OICVM cujo regulamento de gestão não proíba o investimento nos activos referidos anteriormente. Não cumprem integralmente os critérios estabelecidos para os Fundos de Curto Prazo Euro.

12. Fundos do Mercado Monetário de Curto Prazo Euro – Fundos que investem exclusivamente em:

  1. Instrumentos do Mercado Monetário e Depósitos bancários de qualidade elevada;
  2. Unidades de Participação de Fundos do Mercado Monetário de Curto Prazo ;
  3. Instrumentos financeiros derivados, sendo que, no caso de instrumentos derivados cambiais, o investimento só é possível para fins de cobertura de riscos.

A divisa base do Fundo é expressa em Euro e o investimento em activos denominados em outras divisas só é possível mediante a integral cobertura do risco cambial. Não podem investir, directa ou indirectamente, em acções ou mercadorias.

Não podem investir em activos com uma maturidade residual superior a 397 dias; a maturidade média ponderada ajustada da carteira deve ser igual ou inferior a 60 dias e; a maturidade residual média ponderada da carteira deve ser igual ou inferior a 120 dias.

13. Fundos do Mercado Monetário de Curto Prazo Internacional – Fundos que investem exclusivamente em:

  1. Instrumentos do Mercado Monetário e Depósitos bancários de qualidade elevada;
  2. Unidades de Participação de Fundos do Mercado Monetário de Curto Prazo ;
  3. Instrumentos financeiros derivados, sendo que, no caso de instrumentos derivados cambiais, o investimento só é possível para fins de cobertura de riscos.

A divisa base do Fundo é diferente do Euro e o investimento em activos denominados numa divisa diferente da divisa base só é possível mediante a integral cobertura do risco cambial. Não podem investir, directa ou indirectamente, em acções ou mercadorias.

Não podem investir em activos com uma maturidade residual superior a 397 dias; a maturidade média ponderada ajustada da carteira deve ser igual ou inferior a 60 dias e; a maturidade residual média ponderada da carteira deve ser igual ou inferior a 120 dias.

14. Fundos do Mercado Monetário Euro – Fundos que investem exclusivamente em:

  1. Instrumentos do Mercado Monetário e Depósitos bancários de qualidade elevada;
  2. Unidades de Participação de Fundos do Mercado Monetário de Curto Prazo e de Fundos do Mercado Monetário;
  3. Instrumentos financeiros derivados, sendo que, no caso de instrumentos derivados cambiais, o investimento só é possível para fins de cobertura de riscos.

A divisa base do Fundo é expressa em Euro e o investimento em activos denominados em outras divisas só é possível mediante a integral cobertura do risco cambial. Não podem investir, directa ou indirectamente, em acções ou mercadorias.

Investem exclusivamente em activos com uma maturidade residual igual ou inferior a 2 anos, submetidos a ajustamentos periódicos de rentabilidade em função das condições do mercado monetário, pelo menos, uma vez em cada 397 dias.

A maturidade média ponderada ajustada da carteira é igual ou inferior a 6 meses e a residual média ponderada da carteira é igual ou inferior a 12 meses.

15. Fundos do Mercado Monetário Internacional – Fundos que investem exclusivamente em:

  1. Instrumentos do Mercado Monetário e Depósitos bancários de qualidade elevada;
  2. Unidades de Participação de Fundos do Mercado Monetário de Curto Prazo e de Fundos do Mercado Monetário;
  3. Instrumentos financeiros derivados, sendo que, no caso de instrumentos derivados cambiais, o investimento só é possível para fins de cobertura de riscos.

A divisa base do Fundo é diferente do Euro e o investimento em activos denominados numa divisa diferente da divisa base só é possível mediante a integral cobertura do risco cambial. Não podem investir, directa ou indirectamente, em acções ou mercadorias.

Investem exclusivamente em activos com uma maturidade residual igual ou inferior a 2 anos, submetidos a ajustamentos periódicos de rentabilidade em função das condições do mercado monetário, pelo menos, uma vez em cada 397 dias.

A maturidade média ponderada ajustada da carteira é igual ou inferior a 6 meses e a residual média ponderada da carteira é igual ou inferior a 12 meses.

16. Fundos Multi-Activos Defensivos – Fundos que investem ou podem investir em mais do que uma classe de activos, nomeadamente em acções e obrigações. A exposição a acções não ultrapassa 35% do respectivo Valor Líquido Global, permitindo-se que seja igual a zero (0), em determinados momentos, desde que a respectiva política de investimentos permita aplicações no segmento accionista.

17. Fundos Multi-Activos Equilibrados – Fundos que investem ou podem investir em mais do que uma classe de activos, nomeadamente em acções e obrigações. A exposição a acções é superior a 35% (exclusive) e inferior a 65% (inclusive) do respectivo Valor Líquido Global.

18. Fundos Multi-Activos Agressivos – Fundos que investem ou podem investir em mais do que uma classe de activos, nomeadamente em acções e obrigações. A exposição a acções é superior a 65% (exclusive) do respectivo Valor Líquido Global.

19. Fundos Flexíveis – Fundos que não assumem qualquer compromisso quanto à composição do património nos respectivos documentos constitutivos.

20. Fundos Índice – Fundos cuja política de investimentos consiste na reprodução integral ou parcial de um determinado índice de valores mobiliários.

21. Fundos Estruturados - Fundos que, em datas pré-definidas, permitem aos investidores auferir ganhos baseados em algoritmos associados aos resultados, a alterações dos preços ou a outras condições de activos financeiros, índices ou carteiras de referência ou Fundos com características semelhantes.

22. Fundos com Protecção de Capital – Fundos com limitação de risco que, de acordo com as condições e pressupostos previstos nos respectivos documentos constitutivos, procuram garantir aos participantes, no final de um prazo pré-estabelecido, pelo menos o valor da cotação inicial, não sendo enquadráveis na categoria de "Fundos Estruturados".

23. Fundos de Investimento Alternativo de Acções – Fundos não harmonizados, ou seja, constituídos sem observância das regras definidas no Capítulo II do Título III do Novo Regime Jurídico dos OIC aprovado pelo Decreto-Lei n.º 63-A/2013, de 10 de Maio. Não adoptam uma política de investimentos que vise garantir, no final de um prazo pré-estabelecido, pelo menos o valor da cotação inicial do Fundo, nem são enquadráveis na categoria de "Fundos Estruturados". Detêm, em permanência, uma exposição a acções superior a 85% do Valor Líquido Global.

24. Fundos de Investimento Alternativo de Obrigações – Fundos não harmonizados, ou seja, constituídos sem observância das regras definidas no Capítulo II do Título III do Novo Regime Jurídico dos OIC aprovado pelo Decreto-Lei n.º 63-A/2013, de 10 de Maio. Não adoptam uma política de investimentos que vise garantir, no final de um prazo pré-estabelecido, pelo menos o valor da cotação inicial do Fundo, nem são enquadráveis na categoria de "Fundos Estruturados". Têm, em permanência, mais de 80% da carteira investida em obrigações e outros títulos representativos de dívida.

25. Fundos de Investimento Alternativo de Retorno Absoluto – Fundos não harmonizados, ou seja, constituídos sem observância das regras definidas no Capítulo II do Título III do Novo Regime Jurídico dos OIC aprovado pelo Decreto-Lei n.º 63-A/2013, de 10 de Maio. Não adoptam uma política de investimentos que vise garantir, no final de um prazo pré-estabelecido, pelo menos o valor da cotação inicial do Fundo, nem são enquadráveis na categoria de "Fundos Estruturados". Têm como objectivo, definido nos respectivos documentos constitutivos, a obtenção de rendibilidades positivas.

26. Fundos de Investimento Alternativo de Curto Prazo – Fundos não harmonizados, ou seja, constituídos sem observância das regras definidas no Capítulo II do Título III do Novo Regime Jurídico dos OIC aprovado pelo Decreto-Lei n.º 63-A/2013, de 10 de Maio. Não adoptam uma política de investimentos que vise garantir, no final de um prazo pré-estabelecido, pelo menos o valor da cotação inicial do Fundo, nem são enquadráveis na categoria de "Fundos Estruturados". Investem mais de 85% da carteira em activos com maturidade residual inferior a um ano.

27. Fundos de Investimento Alternativo Monetário de Curto Prazo – Fundos não harmonizados, ou seja, constituídos sem observância das regras definidas no Capítulo II do Título III do Novo Regime Jurídico dos OIC aprovado pelo Decreto-Lei n.º 63-A/2013, de 10 de Maio. Não adoptam uma política de investimentos que vise garantir, no final de um prazo pré-estabelecido, pelo menos o valor da cotação inicial do Fundo, nem são enquadráveis na categoria de "Fundos Estruturados". Investem exclusivamente em:

  1. Instrumentos do Mercado Monetário e Depósitos bancários de qualidade elevada;
  2. Unidades de Participação de Fundos do Mercado Monetário de Curto Prazo e de Fundos de Investimento Alternativo Monetário de Curto Prazo;
  3. Instrumentos financeiros derivados, sendo que, no caso de instrumentos derivados cambiais, o investimento só é possível para fins de cobertura de riscos.

O investimento em activos denominados em divisas diferentes da divisa base do Fundo só é possível mediante a integral cobertura do risco cambial e não podem investir, directa ou indirectamente, em acções ou mercadorias.

Não podem investir em activos com uma maturidade residual superior a 397 dias, a maturidade média ponderada ajustada da carteira deve ser igual ou inferior a 60 dias e a residual média ponderada da carteira deve ser igual ou inferior a 120 dias.

28. Fundos de Investimento Alternativo Monetário – Fundos não harmonizados, ou seja, constituídos sem observância das regras definidas no Capítulo II do Título III do Novo Regime Jurídico dos OIC aprovado pelo Decreto-Lei n.º 63-A/2013, de 10 de Maio. Não adoptam uma política de investimentos que vise garantir, no final de um prazo pré-estabelecido, pelo menos o valor da cotação inicial do Fundo, nem são enquadráveis na categoria de "Fundos Estruturados". Investem exclusivamente em:

  1. Instrumentos do Mercado Monetário e Depósitos bancários de qualidade elevada;
  2. Unidades de Participação de Fundos do Mercado Monetário de Curto Prazo, de Fundos do Mercado Monetário, de Fundos de Investimento Alternativo Monetário de Curto Prazo e de Fundos de Investimento Alternativo Monetário;
  3. Instrumentos financeiros derivados, sendo que, no caso de instrumentos derivados cambiais, o investimento só é possível para fins de cobertura de riscos.

O investimento em activos denominados em divisas diferentes da divisa base do Fundo só é possível mediante a integral cobertura do risco cambial e não podem investir, directa ou indirectamente, em acções ou mercadorias.

Investem exclusivamente em activos com uma maturidade residual igual ou inferior a 2 anos, submetidos a ajustamentos periódicos de rentabilidade em função das condições do mercado monetário, pelo menos, uma vez em cada 397 dias.

A maturidade média ponderada ajustada da carteira é igual ou inferior a 6 meses e a residual média ponderada da carteira é igual ou inferior a 12 meses.

29. Fundos de Investimento Alternativo Multi-Activos – Fundos não harmonizados, ou seja, constituídos sem observância das regras definidas no Capítulo II do Título III do Novo Regime Jurídico dos OIC aprovado pelo Decreto-Lei n.º 63-A/2013, de 10 de Maio. Não adoptam uma política de investimentos que vise garantir, no final de um prazo pré-estabelecido, pelo menos o valor da cotação inicial do Fundo, nem são enquadráveis na categoria de "Fundos Estruturados". Investem em diversas classes de activos. Para este efeito, será considerado que investem em acções todos os Fundos que tenham essa possibilidade contemplada na respectiva política de investimento, ainda que em determinados momentos a exposição accionista seja nula.

30. Fundos de Investimento Alternativo Flexíveis – Fundos não harmonizados, ou seja, constituídos sem observância das regras definidas no Capítulo II do Título III do Novo Regime Jurídico dos OIC aprovado pelo Decreto-Lei n.º 63-A/2013, de 10 de Maio. Não adoptam uma política de investimentos que vise garantir, no final de um prazo pré-estabelecido, pelo menos o valor da cotação inicial do Fundo, nem são enquadráveis na categoria de "Fundos Estruturados". Fundos que permitem o investimento até 100% em mais do que uma classe de activos ou que são classificados / denominados como Fundos Flexíveis nos respectivos documentos constitutivos.

31. Outros Fundos de Investimento Alternativo – Fundos não harmonizados, ou seja, constituídos sem observância das regras definidas no Capítulo II do Título III do Novo Regime Jurídico dos OIC aprovado pelo Decreto-Lei n.º 63-A/2013, de 10 de Maio. Não adoptam uma política de investimentos que vise garantir, no final de um prazo pré-estabelecido, pelo menos o valor da cotação inicial do Fundo, nem são enquadráveis na categoria de "Fundos Estruturados". Não cumprem, integralmente, os critérios de nenhuma das anteriores categorias de Fundos de Investimento Alternativo.

32. Fundos PPA – Enquadram-se nos Planos de Poupança Acções, previstos no Decreto-Lei n.º 204/95, de 5 de Agosto (com as alterações introduzidas pela Lei n.º 85/2001, de 4 de Agosto).

33. Fundos Poupança Reforma – Fundos que financiam Planos Poupança Reforma (PPR), de acordo com o Decreto-Lei nº158/2002, de 2 de Julho. Para efeitos de apresentação de Medidas de Rendibilidade e Risco, estes Fundos são agrupados em função do valor do respectivo Indicador Sintético de Risco e de Remuneração, que pode variar entre 1 (risco mínimo) e 7 (risco máximo).

34. Fundos de Pensões Abertos – Constituídos por iniciativa de qualquer Entidade Gestora de Fundos de Pensões, não se exigindo a existência de qualquer vínculo entre os diferentes aderentes ao Fundo e dependendo a adesão unicamente da aceitação pela Entidade Gestora. Admitem normalmente adesões individuais e colectivas, sendo, no entanto, possível, limitar apenas a adesões individuais ou a adesões colectivas. Para efeitos de apresentação de Medidas de Rendibilidade e Risco, estes Fundos são agrupados em função do valor do respectivo Indicador Sintético de Risco e de Remuneração, que pode variar entre 1 (risco mínimo) e 7 (risco máximo).

35. Outros Fundos – Fundos que não se enquadram nos critérios definidos pela APFIPP para as diversas categorias de classificação.

36. Fundos Diversos - Apenas utilizada para efeitos de apresentação de Medidas de Rendibilidade e Risco. Agrega todos os Fundos, com excepção dos Fundos PPA, Fundos PPR e Fundos de Pensões Abertos cuja carteira, no final do mês anterior, não atingiu o valor mínimo de 1,25 milhões de Euro.

37. Fundos denominados em USD - Apenas utilizada para efeitos de apresentação de Medidas de Rendibilidade e Risco. Agrega todos os Fundos cujos valores das Unidades de Participação são expressos em USD, o que significa que as rendibilidades e risco apresentados não são directamente comparáveis com as dos Fundos das restantes categorias.

« voltar ao topo

 

Parte V – Outras considerações

Por iniciativa das Associadas, podem ser propostos novos Índices para integrar a lista de índices elegíveis para o investimento por Fundos de Acções Nacionais, Fundos de Acções da União Europeia, Suíça e Noruega e Fundos de Acções da América do Norte. Os novos Índices propostos serão, posteriormente analisados pela Comissão Consultiva dos Fundos de Investimento Mobiliário que deverá dar o seu parecer sobre a elegibilidade ou não dos mesmos, cabendo a decisão final à Direcção da APFIPP.

« voltar ao topo

 

Anexos

Anexo I - Lista de Índices ”Elegíveis”

Anexo II - Quadro-Resumo da Classificação

Imprimir Documento Integral

 

« voltar ao topo
  Imprimir imprimir
   
 
PT | ENG
© Turismo de Lisboa - www.visitlisboa.com

 

© 2010 APFIPP. Todos os direitos reservados - Site optimizado para IE versão 6.x ou superior
Powered by WeDo Technologies